RESPIRADOR ORAL 
  corner   



Dr.Rafael Ferreira

ARCHIVES


ESTE SÍTIO VISA ORIENTAR PROFISSIONAIS E PACIENTES SOBRE CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA RESPIRAÇÃO ORAL.

 

Domingo, Outubro 28, 2007

 
Hábito de respirar pela boca pode levar à queda de até 30% na performance física


O que a cabeça tem a ver com os pés? Tudo. E não só com os pés, mas com todo o corpo. O inofensivo hábito de respirar pela boca, por exemplo, pode levar à queda de até 30% na performance física. Isto porque diminui a oxigenação do sangue e, assim, a capacidade aeróbica, contribuindo para as lesões musculares, além de provocar ou agravar a asma, dar sonolência ou agitação. Também muda a estrutura do céu da boca, da arcada dentária e da musculatura da face, que no conjunto correspondem às disfunções da articulação têmporo-madibular (ATM). São alterações que acabam por interferir decisivamente na postura do indivíduo.

O craque Ronaldinho quase deixou o futebol, aos 15 anos, em decorrência de um problema dentário. Ao se esforçarem mais para manter o mesmo rendimento dos colegas, atletas ou pessoas dedicadas a algum esporte que respiram pela boca chegam a induzir a asma. Estudos na área da Odontologia já demonstram que os atletas que respiram pela boca apresentam performance 21% inferior em relação aos que respiram pelo nariz.

Como as crianças e nem os pais têm idéia das conseqüências do hábito de respirar pela boca, e até não identificam o problema, uma equipe multidisciplinar iniciou um estudo pioneiro com 300 crianças, de 8 a 14 anos, da Escola de Futebol Leão, do Clube Fortaleza. Ao longo de três meses, uma equipe do projeto Respire Bem e Viva Melhor, formada por dentista, pneumologista, fisioterapeuta e fonoaudióloga, irá avaliar a postura e o desempenho dos alunos. Identificados os problemas, serão indicados os tratamentos.

As crianças que respiram pela boca acabam respirando mais rápido que as demais, se expondo mais às impurezas do ar. É que, ao longo de bilhões de anos, o sistema respiratório humano foi se adaptando para proteger o organismo destas impurezas, mantendo o equilíbrio das trocas gasosas com o meio externo.

O nariz aquece, umidifica e limpa o ar que respiramos, o que não acontece quando o ar entra pela boca. Em conseqüência, as amígdalas e adenóides e todo o trato respiratório ficam irritados, abrindo caminho para crises de asma, bronquite, rinites, otites de repetição, resfriados freqüentes, sono agitado, explica a pneumologista Valéria Góes.

Se o hábito de respirar pela boca não for identificado nos primeiros anos de vida, a criança altera e compromete o padrão do corpo como um todo. De acordo com a dentista e coordenadora do projeto, Fátima Moura, o céu da boca se estreita, os lábios ficam entreabertos de forma a deixar a musculatura da face flácida, aumentando a incidência de cáries. Também são verificados problemas de deglutição dos alimentos, sendo comum a preferência pelos líquidos e pastosos ao invés do alimento sólido.

Numa reação em cadeia, até o posicionamento da língua se altera, prejudicando a fala e levando a uma mudança no posicionamento da mandíbula. Favorece a postura de crianças com ombros caídos, retificação da coluna cervical (o pescoço fica esticado para frente) e o diafragma fica com o tônus aumentado. Isso desorganiza e desestrutura a postura, favorecendo os desequilíbrios. Sendo assim, o atleta ou qualquer pessoa que pratica uma atividade física, como karatê ou ginástica, costuma se machucar com maior facilidade.

Dra. Fátima Moura recomenda observar as crianças que não dormem bem, são muito agitadas ou sonolentas, apresentam sobrepeso ou abaixo do peso, ou seja, os extremos. A prática de esportes requer cuidados num contexto como este, pois a oxigenação deficiente leva a estafa muscular rapidamente.

Segundo a dentista, as escolas e academias precisam estar mais atentas às pessoas que respiram pela boca, até para melhorar o seu rendimento físico e ajudar a resolver um problema que afeta várias funções do organismo. Do contrário, como os sintomas são diversos, a raiz do problema acaba sendo identificada, com muito custo, por médicos de diferentes especialidades.

Este é o papel de uma especialidade que, aos poucos, vem ganhando espaço: a Odontologia Desportiva. A área envolve equipes multidisciplinares. A tarefa dos especialistas é identificar até que ponto o tipo de material usado na restauração de um dente do atleta pode se partir, levando em conta o grau do impacto da atividade física.

Como identificar

*Pessoa que apresenta sonolência diurna
*Quem ronca, baba ou dorme de boca aberta
*Quem sempre está com a boca entreaberta
*Não tem resistência para correr
*Criança irritada ou quieta demais
*Desempenho físico diferente dos colegas
*Infecções freqüentes (resfriados) e presença de catarro.

Notícia publicada no Diário do Nordeste de 5 de setembro de 2004.
Enviado por fatima moura (mfatimamoura@yahoo.com.br)



Deixe aqui seu comentário:

Sexta-feira, Junho 09, 2006

 
Respiração Bucal e o Distúrbio do Sono
Muito bom artigo
Clic Aqui



Deixe aqui seu comentário:

Sexta-feira, Junho 02, 2006

 
Alterações relacionadas ao respirador Bucal.
Algumas dessas alterações podem estar presentes nos pacientes com a Síndrome do Respirador Bucal

Alterações no Sistema Estomatognático:

Protrusão dentária
Apinhamento dentário
Músculos depressores da Mandíbula Hipertrofiados
Músculos elevadores da Mandíbula Hipotrofiados
Aumento do terço médio da face (padrão de crescimento vertical)
Gengivites de repetição
Mordida aberta anterior
Mordida cruzada posterior
Palato profundo
Compressão Maxilar
Distorrelação mandibular
Mesiorrelação mandibular
Incisivos superiores fraturados por quedas constantes
Cáries principalmente as de rápida evolução
Ronco e Sialorréia noturnos
Lábio superior curto
Lábio Inferior evertido


Alterações Otorrinolaringológicas:

Amidalites de repetição
Rinites
Faringites
Otites catarrais
Audição diminuída
Nariz sempre entupido
Alteração do olfato
Alteração do paladar


Alterações Esqueléticas:

Ombros propulsados e caído
Escoliose
Hiperlordose
hipercifose
Abdomem proeminente
Pés planos
Mamas caídas
Escapulas salientes


Alterações do Aparelho Ocular:

Conjuntivites de repetição
Olheiras
Olhar vago
Visão turva


Alterações Neurológicas

Distúrbios de comportamento
Distúrbios de aprendizado escolar
Sono inquieto (apnéias noturnas e de sono)
Falta de concentração
Falta de memória
Irritabilidade
Percepção alterada
Dificuldades no desenvolvimento da linguagem
Hipersonolência diurna
Depressão
Choro copioso
Inquietação
Ansiedade
Impaciência
Medo de realizar tarefas
Cansaço rápido
Sono agitado com pesadelos freqüentes
Imagem corporal deturpada



Deixe aqui seu comentário:

Quarta-feira, Maio 04, 2005

 
Mapeamento de Trigger Points na musculatura de cabeça, pescoço e face em pacientes com a Síndrome do Respirador Bucal.
Juliana Swytka Ghen
Fisioterapeuta graduada pela FEEVALE
Pós Graduação em Terapia Manual e Postural.
CLIC AQUI



Deixe aqui seu comentário:

Sexta-feira, Outubro 22, 2004

 
RICKETTS (1968) Descreve que o Respirador Bucal faz uma rotação de cabeça no eixo cervical, em um esforço de aumentar a passagem de ar pelo espaço oro-naso-faringiano. As crianças com respiração bucal mudam a postura da cabeça com relação aos eixos, mais evidentemente no eixo sagital. A região cervical perde a sinuosidade natural resultando na elevação da escápula e na depressão do tórax, acarretando uma deficiência de oxigenação, decorrente do relaxamento do músculo reto abdominal, diminuindo a ação do diafragma. Esses fenômenos resultam numa curta inspiração deficiente e numa respiração rápida e curta. Estes distúrbios, durante o desenvolvimento da criança, gerarão como conseqüências, além da maior ventilação, uma maior freqüência, que por sua vez necessitarão de maiores atividades dos sistemas nervoso, endócrino, sangüíneo, sensorial, ósseo e muscular, pois o RB tem dificuldades em manter o equilíbrio, em mastigar fibras ou alimentos sólidos e respirar pelo nariz. (Carvalho, 1990).



Deixe aqui seu comentário:

Quarta-feira, Setembro 22, 2004

 
Equilíbrio vital

A boca é o portal energético do corpo, a face é composta de várias estruturas que possuem uma interdependência. Acredito que tentamos equilibrar o órgão mais complexo e menos entendido do nosso organismo. A boca está relacionada com diversas estruturas como a respiração (que acredito que de todas é a que mais influência na modulação do crescimento e desenvolvimento), a fala que é vital para a sociabilidade; pessoas que possuem harmonia estomatognátiga são mais bem aceitas, possuem capacidade física maior (Ronaldinho Gaúcho é uma exceção).
A maxila se relaciona com a órbita, cavidade nasal, cavidade oral. Por trás de todo este conjunto está o nosso sistema nervoso central. A pituitária importantíssima para promover o crescimento está localizada no esfenóide, osso que se relaciona com todos os ossos da face e parte interna do cérebro, posso ficar escrevendo mais dez páginas sobre isso e mesmo assim não teremos todas as relações. Esta interdependência já foi descrita por Van Der Klaauw (componente craniano funcional o CCP), Moss desenvolveu a sua teoria a partir destes postulados.(de Sá filho, Floriano. p. 189) .
Mas acredito que devemos ir além, se sabemos que a posição da mandíbula guia o eixo corporal, qualquer intervenção que fizermos, que possa alterar o equilíbrio do sistema (seja uma restauração mal adaptada ou problema periodontal...) comprometerá o todo. Caso esta boca entre em colapso, estará influenciando também a posição da mandíbula, alterando o eixo corporal gerando uma resposta que é uma adaptação muscular (situação hipotética). Devemos sempre antever o problema, esta é a real prática da OFM.
Prevenir é dar condições para que o indivíduo cresça e se desenvolva com as máximas de sua capacidade. Sabemos que grande parte das más oclusões começam na infância, se prevenirmos desde o nascimento com as corretas orientações sobre a amamentação, alimentação, hábitos, fatores psicológicos..., Conseguiremos sem dúvida nenhuma alcançar o equilíbrio de nossos pacientes.
O grande mérito de Pedro Planas não foram o equiplan nem pistas diretas ou indiretas, a sua grande descoberta foi como se operava o desenvolvimento do sistema estomatognático, ele observou as rotações da mandíbula e maxila e conseguiu identificar o motivo, e como elas aconteciam, mas este gênio foi além ele aprendeu a corrigir e prevenir. Planas já em 1962 descrevia que uma correta amamentação com movimentos de ordenha era uma preparação do sistema estomatognático para receber os dentes e estes cumprirem o seu papel que é a de moer e triturar o alimento aumentando a sua superfície como conseqüência facilitando a digestão. Esses estímulos corretos vão influenciar todas as estruturas interdependentes, trabalhando em harmonia.
Acredito que OFM vai muito além de aparelhos, OFM é direcionar, criar ou manter o equilíbrio. Devemos sempre escutar nossos pacientes porque acredito que eles possuem informações valiosíssimas para a compreensão da OFM. Temos que colaborar para a correta evolução do sistema como um todo, indo em direção ao equilíbrio vital.

RAFAEL FERREIRA
CIRURGIÃO DENTISTA
CLÍNICO GERAL
ESPECIALISTA EM ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES



Deixe aqui seu comentário:

Quarta-feira, Agosto 04, 2004

 
Dr. Mariano Rocabado, conhecido e respeitado fisioterapeuta chileno, afirma que 80%, isto é, 4 entre 5 pacientes com dores oro-crânio-cervicais apresentam alteração da curvatura fisiológica, ou seja alteração da lordose cervical. Algumas crianças nunca chegaram a apresentar esta curvatura fisiológica. É o caso do Respirador Bucal.



Deixe aqui seu comentário:

Terça-feira, Dezembro 02, 2003

 
A formação da ATM começa na sétima semana de gestação, na décima segunda semana teremos todas as estruturas da ATM e na décima quarta semana é semelhante a de um adulto. Ao nascer a criança precisa ser amamentada corretamente, para o desenvolvimento do sistema estomatognático. Criança que não é amamentada pode desenvolver uma série de alterações, como classe II, respiração oral, assimetrias faciais, alteração no posicionamento da mandíbula ( como consequência uma alteração no eixo corporal) chegará na idade adulta com problemas no equíbrio muscular, gerando dores de cabeça, coluna vertebral...Devemos sempre orientar corretamente nossos pacientes sobre a correta respiração. Existem uma infinidade de sites sobre o assunto. Bom estudo para todos.

Deixe aqui seu comentário:

 
Sitio com diversas informações sobre respiração oral, com visão de diversas áreas da saúde. repire melhor



Deixe aqui seu comentário:



This page is powered by Blogger.